MUNCAB - Um Manifesto de Resistência Cultural

Escrito por Museu Afro Brasileiro on . Postado em Blog

156Cultura é um processo contínuo, dinâmico e transformador. Com esse conceito foi possível sair das ruínas para uma processo histórico e criativo, pois mesmo sem concluir as obras de instalação, o Muncab já realizou dezenas de eventos culturais e educativos, como oficinas, exposições, inclusive a internacional “O Benin Está Vivo Ainda Lá”, “Mestre Didi, o Escultor do Sagrado”, “ A revolta de Búzios”, “Cavalo de Santo”  e ainda  homenagens especiais a Maria de São Pedro e  grandes figuras da Cultura Afro Brasileira, na exposição comemorativa do Ano dos Afro Descendentes, idealizado pela ONU.

Como projeto complexo, o MUNCAB avançou não só nas obras de reforma, como também na constituição de um significativo acervo, com mais de 200 peças e documentos, que agora se ampliam com a doação de “7 Cabeças de Orixás”,  do artista plástico Antonio Miranda.

Esse é o conceito de fazer cultural que revolucionou o pensamento e a arte brasileira. Com a idéia de vincular aos processos inventivos da cultura popular brasileira, cultura da carência, da invenção e da tradição de sua matriz africana e indígena. Cultura que tornou possível a força telúrica e social da nossa poesia e da música popular brasileira, da Semana de Arte Moderna, dos movimentos culturais negros, da Bossa Nova, do Cinema Novo, do Centro Popular de Cultura e do Tropicalismo.

Essas são as matrizes do Muncab, assim como criadores e pensadores como Milton Santos, Teodoro Sampaio, Grande Otelo, Carolina de Jesus, Batatinha e muitos outros. E aqui estamos nessa estrada da liberdade, reabrindo nossas portas, com fidelidade aos valores de uma cultura que se construiu e libertou, contra adversidades, inclusive da escravidão.

Estamos vivos.  Criando, como resposta aos que apostaram na desconstrução, determinados a enfrentar os que ainda fazem da cultura afro brasileira ambiente de oportunismo fisiológico que desrespeita nossos ancestrais.

Quatro exposições belíssimas respondem a esses anos silenciosos e difíceis, demonstrando que a idéia e obra do MUNCAB conquistou mais adeptos e amigos que fortalecem, como pessoas, artistas, empresas e homens públicos a meta de tornar o MUSEU NACIONAL DA CULTURA AFRO BRASILEIRA um museu público e federal.

Temos o prazer de dar continuidade às obras e reabrir mais uma vez as nossas portas com as exposições: “Arte e História da Cultura Afro Brasileira”; “Sete Cabeças de Orixás”; “Pop Esporte Clube e suas Torcidas Organizadas”, “Barbosa, Um goleiro no Imaginário Popular”. Luta contínua e processual contra a ignorância e o preconceito, pela cultura, arte e educação.

O pólen da diáspora nas culturas fecundas

Escrito por Museu Afro Brasileiro on . Postado em Blog

capinan3

AMAFRO propôs a implantação do Museu Nacional Da Cultura Afro Brasileira ao MINC e justificou sua criação, definindo alguns conceitos, explicitando que era necessário criar uma casa de cultura útil à comunidade, sobretudo aos afro-descendentes, e que também fosse contemporânea na sua concepção e auto sustentável. Seu foco principal seria a preservação e a difusão da cultura afro brasileira, sendo o Museu um instrumento de revelação da grande contribuição dos negros escravos e seus descendentes na criação de uma cultura bem sucedida rincipalmente pela sua diversidade, com o objetivo de promover o que tanto tem sido discriminado e negado, que é o valor fundante desta contribuição. Os negros deram à cultura nacional a capacidade de se desenvolver pela dinâmica das diferenças ...

O Museu. Um Conceito

Escrito por Museu Afro Brasileiro on . Postado em Blog

 

emanoel araujo2O Museu é um espaço dedicado ao conhecimento e, dependendo das suas especificidades será um centro vivo de memória e história. Essa é a tipologia desse Museu Nacional da Cultura Afro-brasileira, já que no Brasil ficam claras as omissões de todas as ordens, causa principal do apagão cultural constituído no país debaixo da hipócrita democracia racial. Uma instituição insistente e perversa, que ainda prevalece por falta de políticas públicas e ações afirmativas para por fim na descriminação racial, racismo e preconceito social e de todas as formas que impedem avanços contra os Afro-descendentes.

Espelho meu espelho meu

Escrito por Museu Afro Brasileiro on . Postado em Blog

sodre blogLabuta-se em Salvador, uma luta dura, para a instalação do MUSEU NACIONAL DA CULTURA AFRO-BRASILEIRA – MUNCAB, assunto que abordarei em outra oportunidade, pois merece o apoio de todos. Neste texto, permitam-me divagações. Se levarmos em conta o que estabelece a lei n. 11.904, de 14 de janeiro de 2009, veremos, a luz deste documento, que os museus brasileiros serão "instituições sem fins lucrativos que conservam, investigam, comunicam, interpretam e expõem, para fins de preservação, estudo, pesquisa, educação, contemplação e turismo, conjuntos e coleções de valor histórico, artístico, científico, técnico ou de qualquer outra natureza cultural, abertas ao púbico, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento".

 

EDUCAXÉ: O negro e a política

Escrito por Museu Afro Brasileiro on . Postado em Blog

sodre blog

Entende-se por política, dentre muitas definições, a atividade que resulta em organização, direção ou administração de ações em beneficio de uma comunidade. A grosso modo podemos dividi-la entre política interna e política externa. Em uma sociedade democrática esta atividade pode corresponder às ações dos cidadãos que ocupam cargos públicos, levados ao poder pelo voto, efetivada pelos seus co-cidadãos.

A palavra Política é de origem grega. Os gregos estavam organizados em cidades-estado chamadas Polis, nome do qual se origina a palavra Politike, no sentido geral, e Politikós no sentido de cidadãos.